23 de ago de 2008

Olimpíadas

Olimpíadas Escolares


Objetivos :

• Propiciar aos alunos através das Olimpíadas Escolares: socialização, harmonia e integridade física, social, emocional e cognitiva, através da prática de jogos desportivos.
• Firmar a Educação Física Escolar em uma perspectiva transdisciplinar, que lhe possibilite ver a sociedade em constantes mutações, onde o conhecimento é dinamicamente superado a cada momento, sendo preciso reformular nossos conceitos e/ou ações afim de que não percamos de vista os nossos objetivos: a valorização dos jogos escolares, mas não na competição de resultados, e sim na participação e união de todos os alunos.


Justificativa:

Nossa proposta de Jogos Escolares, a partir da compreensão da necessidade de reorientar o processo ensino-aprendizagem de forma a permitir ao aluno a percepção da natureza histórica dos conteúdos, objetivando a sua compreensão da produção humana como inesgotável e passível de mudanças, a fim de despertar-lhe o entendimento de suas possibilidades de intervenção nos rumos da sua vida, individual e social; pretende fundamentalmente se enquadrar na perspectiva da cultura corporal, em contraposição à proposta normalmente desenvolvida em consonância com o paradigma da aptidão física.
No paradigma da aptidão física, o conceito de esporte é o de alto rendimento. O esporte passa a suplantar todas as outras manifestações da cultura corporal, sendo considerado como fim em si e reprodutor de grandes competições. Seus fundamentos são passados de forma uniforme e direcionada à obtenção de resultados.
Nesse paradigma, os Jogos Escolares são momentos de singular importância. É o momento onde o professor-técnico percebe se seu trabalho obteve resultados com a vitória de seus alunos sobre os outros. Constitui-se o objetivo anual, para em função dos quais usam as aulas para treinamento. Constitui-se em verdadeiras batalhas entre turmas; filiais ou colégios.

Em contrapartida, o paradigma da cultura corporal,
"... busca desenvolver uma reflexão pedagógica sobre o acervo de formas de representação do mundo que o homem tem produzido no decorrer da história, exteriorizadas pela expressão corporal: jogos, danças, lutas, exercícios ginásticos, esporte, malabarismo, mímica, e outros, que podem ser identificadas como forma de representação simbólica da realidade vivida pelo homem, historicamente criadas e culturalmente desenvolvidas" (Coletivo de Autores, op.cit., p.38)
Embora dentro dessa perspectiva o esporte permaneça importante, tal importância é dividida com outras manifestações, além do que seu ensino é diretamente ligado às necessidades de intervenção e compreensão social. Os aspectos técnicos não são abandonados, mas já não mais ocupam o centro do processo. Aliás, o processo e as intenções deste se equiparam em importância ao produto, agora não mais avaliado exclusivamente segundo rendimentos matemáticos. Com isso, o paradigma da cultura corporal mostra grande ligação com o processo de emancipação, à medida que, a partir da reflexão e do ressaltar da historicidade, possibilita
"... a solidariedade substituindo individualismo, cooperação substituindo disputa, distribuição em confronto com apropriação, sobretudo enfatizando a liberdade de expressão dos movimentos a emancipação negando a dominação e submissão do homem pelo homem" (ibid., p.40)
Um projeto de Jogos Escolares em consonância com tal paradigma é o que tentaremos apresentar. No decorrer de tal apresentação que será feita de forma fragmentada unicamente por motivos didáticos, apresentar-se-ão com maior profundidade as preocupações que nos levaram a tal estudo.


Pressupostos Teóricos:

Embora tal preocupação possa parecer de menor importância já que, concordamos, tal mudança não significa a garantia de mudanças efetivas, acreditamos que, na denominação Olimpíadas e/ou Jogos Olímpicos,
"...estas palavras, como qualquer outra linguagem, possuem funções próprias e semânticas estabelecidas, mas também tem um emprego e uma semântica dirigida. Elas constituem um conteúdo e uma intencionalidade bem determinada. Elas nos situam dentro de um contexto antropológico, social e educacional. Há nelas uma proposta prática a ser executada. As palavras estabelecem limitações e distinções" (Santin, 1987, p.41).
A denominação "Olimpíadas" , traz uma visão para aqueles que virão a participar, de que será uma competição onde só interessa os resultados, somente os vencedores serão lembrados e os perdedores serão esquecidos.
Sendo assim, acreditamos que, embora por si só não seja suficientemente para estabelecer a mudança de enfoque, a busca de uma nova denominação se faz importante para deixar claro inclusive para os participantes, que com certeza não ficarão impunes aos meios de pontuação, a uma diferença em nossa proposta.
As origens de nossos jogos não se perderão no cotidiano educacional diário, e sim fará parte do planejamento das aulas de Educação Física, com o apóio dos professores de outras disciplinas e da coordenação escolar, onde serão definidas funções específicas para cada pessoa responsável.
Assim com a distribuição de tarefas e responsabilidades teremos um melhor controle e uma melhor organização das nossas atividades.
Com isto não estamos dizendo que tal denominação deva ser imposta , mas discutida com os alunos, aproveitando-se para, nos moldes da pedagogia crítico-social dos conteúdos, debater sentidos e valores embutidos na denominação oficial (Olimpíadas e/ou jogos olímpicos).


Metodologia:

Para a implantação de Olimpíada Escolar, a priori é necessário a relação de alunos que serão envolvidos no projeto. Posteriormente, deve-se classificar e dividir os mesmos por faixas etárias e séries de ensino distintas.
Após esta análise, pode-se formar e dividir as equipes. Cada equipe deve representar um estado de nosso país, seguindo a seguinte predisposição: equipes com quantidade e número iguais de jogadores, onde não haja benefícios e nem prejuízos para nenhuma das equipes, ou seja, procurar equilibrar as mesmas para aumentar a disputa. Cada equipe poderá ser formada por dois ou três atletas de cada série de ensino, onde as equipes participantes se enfrentarão entre si, respeitando a classificação etária e o nível de ensino. Como exemplo podemos citar: digamos que numa competição de Handebol, onde haja confrontos diretos entre as equipes, os alunos com faixa etária menor se enfrentarão entre si e os demais, com a idade mais avançada também se enfrentarão.
Tendo as equipes formadas, deve-se relacionar os jogos e atividades que serão propostos para as disputas. Os jogos e atividades devem ser classificados da seguinte maneira: jogos/atividades coletivas, individuais, com participação dos alunos menores e maiores, jogos de inteligência, de força, agilidade, de cooperação e ajuda mútua, jogos motores, sensoriais, de imitação e de expressão corporal.
Ao final de cada prova e ou disputa, sem importar muito o resultado, os professores, a coordenação, os alunos, e os pais presentes, deverão preencher uma ficha de avaliação de resultados, onde irão expressar suas idéias, opiniões e comentários a respeito dos jogos, assim analisando cada equipe chegando a um denominador final de quem merece conquistar aqueles determinados pontos.
Os pontos a serem analisados são: participação, assiduidade, colaboração, espírito de grupo e de equipe, relacionamento no seu grupo e com os demais grupos, espírito competitivo e cavalheiresco, entre outros.
Essas fichas de avaliação, devem ser entregues antes do inicio das disputas e devem ser recolhidas logo que terminarem os jogos, assim é possível analisar e discutir qual equipe merece maior pontuação e bonificação.


Observações Importantes:

Nas "Olimpíadas" tradicionais, além da participação se limitar aos jogos em si, é permitido aos mais capazes, fortes, àqueles que atingem melhor resultado, tendo maiores possibilidades de vitória. Resta aos que "sobram" a torcida e a idolatração dos melhores.
"... sem dúvida é pela separação estabelecida entre os profissionais, virtuoses de uma técnica esotérica, e os leigos, reduzidos ao papel de simples consumidores, e que tende a se tornar uma estrutura profunda de consciência coletiva, que ele (o esporte) exerce seus efeitos mais decisivos: não é apenas no domínio do esporte que os homens comuns são reduzidos aos papéis de torcedores (...) dedicados a uma participação imaginária..." ( Bourdieu, 1983, p.173) .
Em nossa proposta devem ser estimulados o maior número de participações possíveis. Deve ser garantida a todos que desejem a participação, independente de rendimento ou potencial técnico, já que esse não é o objetivo. Acreditamos que, enquanto tivermos que lutar contra a consciência geral de privilégio aos melhores, o regulamento deve garantir a participação de todos.
"Quanto mais rígidas são as regras dos jogos, maior é a exigência de atenção da criança e de regulamentação de sua própria atividade, tornando o jogo tenso (...) Todavia é fundamental o desenvolvimento de regras na escola.." (Coletivo de Autores), op.cit ., p.67).
No entanto, mesmo o regulamento sendo discutido e fazendo parte do processo de mudança de atitude que deve caracterizar nossa proposta, ele não deve ser o elemento exclusivo de garantia. Tem de ser acompanhado de forte processo de discussão e conscientização acerca da competição no mundo contemporâneo. Assim, nossa atividade não se encerra em si, mas é a continuação dos processos pedagógicos desenvolvidos nos espaços escolares, curriculares ou não , e pode funcionar como retorno e avaliação deste processo.


Conclusão:

"Todo movimento humano é, de alguma maneira, competitivo na medida que ele se desencadeia como um exercício de superação de resistência, pois ele se coloca como uma busca de equilíbrio, de harmonia, de beleza. A competitividade não deve ser entendida como competição na demonstração de superioridade. O movimento parece ser sempre um para o encontro, para a aproximação buscando superar distâncias, obstáculos, sejam físicos ou psíquicos. A competitividade coloca-se dentro da ótica dialética" (Santin , op.cit., p.36)
Explicitando nosso conceito de competição, fica claro que o objetivo primordial de nossa proposta é a participação ampla e ativa, ficando os resultados relegados a um segundo plano. Note-se que não estamos propondo um abandono dos resultados, mas sim a sua valorização secundária e a partir do grupo como um todo, e não de pessoas representando o grupo. Por isso as atividades coletivas ganham relevante importância. Nas atividades individuais, o resultado deixa de ser o exclusivo de um representante, mas sim a junção da contribuição de todos os participantes de uma mesma equipe. Também acreditamos que devem estar presentes atividades que não tenham nenhum cunho competitivo, como espetáculos de teatro ou dança, apresentado pelas equipes participantes.
Perceba-se que em nenhum momento falamos em esporte, mas sim em atividades. De fato, deverão ter espaço várias manifestações da cultura corporal, a partir da discussão com o grupo e das características psico-sociais do mesmo.
"Num programa de jogos às diversas séries, é importante que os conteúdos dos mesmos sejam selecionados considerando a memória lúdica da comunidade e oferecendo-lhe ainda o conhecimento dos jogos as diversas regiões brasileiras e de outros países" (Coletivo de Autores , op.cit., p.67)
Pode-se inclusive criar novas atividades com o grupo, deve-se desenvolver regras próprias e utilizar nomes interessantes de acordo com o próprio grupo, onde além da atividade em si, seria trabalhada a fantasia criada pela criança.
Não abandonamos assim o esporte, conteúdo importante no mundo contemporâneo, mas também não o supervalorizamos. Pretendemos utilizá-lo segundo novos parâmetros, contextualizados às necessidades sociais.
"Para o programa de esportes se apresenta a exigência de desmitificá-lo através da oferta, na escola do conhecimento que permita aos alunos critica-lo dentro de um contexto sócio-político-econômico-cultural. Esse conhecimento deve prover, também, a compreensão de que a prática esportiva deve ter o significado de valores e normas que assegurem o direito a prática do esporte" (ibid.,p.71)
As equipes devem ser sorteadas de forma a permitir que os jogos se desenvolvam da melhor forma possível. As divisões por faixa etária, sexo e/ou outra qualquer só devem ser procedidas se necessárias ao bom desenvolvimento das atividades. Nunca em função dos resultados, mas para que todos tenham oportunidades semelhantes de participação. As atividades devem ser desenvolvidas no horário de aulas, para que todos, mesmo os que trabalhem, possam participar.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Bordier, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.
_______. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.
Bracht, Valter. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.
Coletivo de Autores. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.
Dieckert, Jurgen. Esporte de lazer: tarefa e chance para todos. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1984.
Marcelino, Nelson Carvalho. Lazer e educação. Campinas: Papirus, 1987.
Pereira, Medeiros Flávio. Dialética da cultura física. São Paulo: Icone, 1988.
Santin, Silvino. Educação Física no terceiro grau: uma abordagem filosófica da corporeidade. Ijuí: Unijuí, 1987.
______. Educação Física: outros caminhos. Porto Alegre: EST, 1990.


Sugestão de Ficha de Avaliação


Nome do Avaliador:
Idade:
Data da Avaliação:
Equipe:

Indique abaixo os pontos positivos de cada equipe:

Participação de todos os alunos
Organização da equipe
Motivação da equipe
Espírito Esportivo
Espírito cavalheiresco
Integração da turma
Assinale abaixo, os pontos negativos de cada equipe:

Desorganização
Desmotivação
Bagunça
Violência
Falta de respeito para com os colegas e funcionários da escola.
Responda as questões que seguem, para um melhor aproveitamento de seu Teste:
1. Você observou a participação de todos os alunos?
----------------------------------------------------------
2. O que você achou dos jogos ?
----------------------------------------------------------
3. Quais as suas idéias, conclusões e ou questionamentos para os próximos jogos ?
----------------------------------------------------------
4. Observações:
----------------------------------------------------------


Sugestão de Teatro

Duração : 45 Minutos


Objetivo:

Devido à proximidade do evento esportivo Olimpíadas 2008, com a divulgação da mídia e o interesse das crianças criamos uma festividade que pudesse contemplar e trabalhar o tema que traz um cenário rico para o desenvolvimento do corpo, da mente e da afetividade na educação infantil.


Personagens:

Narrador: Chinesa Adulta
Chinesinhos
Futebol
Natação
Hipismo
Tênis
Judô
Ginástica Rítmica


Roteiro de Apresentação:

(Narrador) Abertura:

Boa tarde a todos os convidados presentes. É com grande prazer e alegria que recebemos você aqui hoje vamos viajar para Pequim rumo as Olimpíadas 2008, será uma viagem maravilhosa rumo ao mundo dos esportes. Desde a sua origem na Grécia, os jogos Olímpicos são considerados como o maior espetáculo da terra. Antigamente, era conhecido como um período de paz entre as lutas, hoje, atletas do mundo inteiro se reúnem em um grande espetáculo que mistura nações, cores, bandeiras e religiões, é o momento onde o esporte é valorizado, mostrando a sua força, acima das diferenças e da guerra.
Entra uma criança vestida de Chinês com a tocha olímpica, chega lá na frente e desfila com a tocha e para no lugar como se fosse acender a tocha naquele momento dando inicio a abertura das Olimpíadas.

Colocar Música Chinesa instrumental para crianças para a entrada do aluno com a tocha olímpica)
Narrador: Apertem os cintos chegamos na China, olha a beleza deste país, com um território de grande extensão, um passado historicamente rico e uma população de 1,3 bilhões de habitantes, a China possui uma importante diversidade cultural. Por ser um país que apresenta um grande crescimento da economia, na atualidade, a China atrai olhares de pessoas do mundo todo, que buscam informações sobre seus aspectos culturais. Na atualidade, este país mescla a cultura tradicional com a modernidade.

(Dança o berçário de Chinesinhos com a Música do Ling li ling do Trem da Alegria)
Narrador: Vamos dar força ao nosso país, nosso grito de guerra é pelas conquistas do nosso Brasil, afinal de contas ainda somos pequeninos, mas amamos o nosso país e acreditamos que somos o futuro desta nação .
(Entram duas alunas vestidas de Verde Amarelo segurando a bandeira do Brasil e uma aluna de branco com um globo representando a paz de todos os paises)
Narrador: O esporte adorado pelos brasileiros é disputado nas Olimpíadas desde 1900. É o futebol uma modalidade esportiva que está no coração de todo torcedor brasileiro. Com vocês o nosso Futebol
(Dança o Maternal I com bolas de plástico coloridas a Música Futebol dos Bichos)
Narrador: A natação é considerada o esporte mais completo de todos, pois estimula e movimenta quase todos os músculos do corpo. Bom, mas vamos falar sobre os jogos olímpicos, a natação, assim como o atletismo, está presente desde a primeira edição dos jogos, por isso não podia faltar. Com vocês os nossos nadadores.

(Dança o Maternal II com um pano azul, com a Música País das Águas).
Narrador: O Hipismo é um dos mais bonitos e tradicionais esportes, com seus belos cavalos, os jóqueis dão um show de acrobacias nos diversos obstáculos. Com vocês os nossos alunos representando o Hipismo
(Dança o Maternal III com cavalinho de pau, com a Música Upa Cavalinho Rubinho do Vale).
Narrador: Vamos falar sobre o Tênis que é uma modalidade que esteve presente já na primeira edição dos jogos olímpicos da era moderna.Neste jogo quem marcar mais pontos é o vencedor. A bola pode tocar no chão apenas uma vez, depois de tocar o jogador deve rebater para o outro lado da quadra. Com vocês as nossas Tenistas

(Dança Maternal III com raquete de tênis de plástico a Música Clássica bebês em desenvolvimento)
Narrador: O judô é uma arte marcial praticada como esporte. Arte em que se usa ao máximo a força física e espiritual. Tem como filosofia integrar corpo e mente. Sua técnica utiliza os músculos e a velocidade de raciocínio para dominar o oponente Com vocês os nossos judocas
(Dança o 1º Período a Música Chinesa para crianças com passos de judô)
Narrador: A Ginástica Rítmica é uma modalidade de infinitas possibilidades de movimentos corporais, realizados fluentemente em harmonia com a música e a fita despertando toda a graciosidade e leveza de movimentos.
(Dança o 2º Período com fita nas mãos com a Musica Clássica para crianças).
Narrador: O esporte é vida e saúde, por isso é importante sempre praticarmos para que possamos crescer felizes e desenvolver diversas habilidades.

(Entrega das Medalhas para os convidados com a Música Carrossel de Fogo)
Autoria do Teatro: Monique Corrêa Saliba – Professora de dança, teatro e música. Especialista em técnicas de teatro infantil e coreografias para eventos diversos.


Lembrancinhas

Certificado de participação das Olimpíadas Escolares






Viseira


Para achar as músicas e realizar o teatro em sua escola sugerimos que visite o blog Cantos e Encantos: http://cantoencanto.blogspot.com/



Fonte: Projetos Pedagógicos Dinâmicos


Visite e descubra outros projetos!


Gostou da dica? Então comente.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Letramento e Alfabetização Copyright © 2009 Girlymagz is Designed by Bie Girl Vector by Ipietoon